Siobhan Brown. A Rebel’s Guide to Eleanor Marx. Londres: Bookmarks, 2015.

Em apenas 64 páginas na edição em brochura, o livro faz parte de uma série de introdução à vida e obra de figuras da esquerda mundial. Trata-se de uma introdução ágil, capaz de prover uma ideia geral sobre Eleanor a quem nunca ouviu falar dela, mas também de lembrar aos familiarizados dados importantes sobre a vida prática dessa grande “agitadora, organizadora [partidária] e autora”, como declarado na introdução ao volume.

O mercado editorial brasileiro merece introduções do tipo: saímos da academia e dos cursos de formação partidária com uma concepção abstratas de nossas autoras e autores favoritos: é como se seus escritos fossem as únicas coisas relevantes para compreendermos como atuaram no mundo. Siobhan Brown corrige esse déficit interpretativo e reconta a vida adulta de Eleanor Marx à luz de seus textos, cronologicamente; o espaço dedicado a um artigo como, por exemplo, A questão da mulher, não é maior do que o espaço cedido à análise de contribuições práticas à Greve dos Estivadores londrinos. A imagem que temos de Eleanor Marx neste livro é a de uma ativista em formação e desenvolvimento constante, que teve sua iniciação teórica a partir do berço (já que ela cresce ouvindo seu pai Karl Marx murmurar reflexões antes de pô-las no papel) e aos 16 anos já estava lutando na Comuna de Paris (episódio narrado magistralmente no capítulo 3: The Paris Commune). Como talvez só a biografia de Rachel Holmes, a autora nos lembra quão vertiginosa foi a vida da filha de Marx – quantos eventos históricos cruciais marcaram sua vida desde a infância, e como reagiu a cada um deles.

Duas objeções apenas: o tratamento do feminismo de Eleanor se baseia na antiga visão de que A questão da mulher é seu texto definitivo, ignorando assim todos os seus artigos para o Arbeiterinnen-Zeitung e seus debates tardios com Louise Kautsky. Não há qualquer menção a questões de estética e à relação entre Eleanor, o mundo do teatro ou sua atividade tradutológica. Isso é compreensível visto que a série A Rebel Guide to… é uma série que celebra, sobretudo, contribuições de ativistas sociais. Isso não diminui o valor deste guia de forma alguma.

Por F. V. Silva | A campanha de pré-venda da Obra Completa de Eleanor Marx ainda está de pé! Até 30 de janeiro, pode ser acessada no endereço www.catarse.me/eleanormarx

Previous post Resenha | Eleanor Marx, filha de Karl. Um romance (2001), por Maria José Silveira
Next post Resenha | Eleanor Marx, a life (2013), por Rachel Holmes